Diferentemente do que se viu nos últimos anos, os fundos de private equity que operam no Brasil têm vivido em um ambiente de mercado mais difícil para o crescimento das empresas do portfólio. Este cenário fez com que os líderes dessem ênfase em iniciativas de gestão que reduzem os riscos do impacto do momento menos favorável. Muitos gestores de fundos passaram a se envolver mais na rotina das empresas investidas e o papel do management passou a ter mais relevância para o sucesso da tese de investimento. Os fundos, em geral, perceberam a necessidade de promover mudanças importantes na estratégia e nas políticas das empresas do portfólio para obter performance. E isso inclui, muitas vezes, a substituição do CEO e/ou outros executivos-chave, que podem também ser sócios do negócio. O mercado de private equity tem contado com a FLOW para fazer esse movimento dentro das companhias e levar o negócio ao máximo desempenho com a ajuda do novo profissional contratado.